segunda-feira, 14 de maio de 2018

MARGOT KIDDER, INTÉRPRETE DE LOIS LANE, MORRE AOS 69 ANOS


                Os fãs do Homem de Aço estão de luto. Margot Kidder, atriz que fez Lois Lane, a colega, amiga, e interesse romântico do Super-Homem nos quatro filmes para cinema estrelados por Christopher Reeve entre o final dos anos 1970 e meados dos anos 1980, faleceu neste último domingo, dia 13 de maio, aos 69 anos de idade. As causas da morte não foram divulgadas. Margot faleceu em Livingston, Estado de Montana, Estados Unidos, onde residia atualmente.
                Nascida em Yellowknife, no Canadá, em 17 de outubro de 1948, Margaret Ruth Kidder era uma dos cinco filhos de um engenheiro e uma professora de história. Sua mãe era canadense, e seu, estadunidense, e na época viviam no Canadá, devido ao trabalho de seu pai, quechegou a dirigir a companhia telefônica local. Aos vinte anos de idade, fez seus primeiros trabalhos como atriz, em filmes, e posteriormente em seriados, como McQueen, Mod Squad, Baretta, entre outros, fazendo participações eventuais, durante os anos 1970. Paralelamente, sua participação em filmes no cinema foi crescendo pouco a pouco, de modo que estava se tornando uma atriz mais conhecida do público, tendo até participado de uma das sessões da revista Playboy. Estrelou o filme “Irmãs Diabólicas”, de 19732, dirigido por Brian de Palma, e contracenou com Robert Redford naprodução “O Grande Circo de George Roy Hill”, de 1975. Ao lado de Peter Fonda e Warren Oates, também participou fo filme “33º à Sombra”, no mesmo ano.
                Kidder deu uma pausa em sua carreira de atriz em 1976, por ocasião do nascimento de sua única filha, mas não demorou a retomar a carreira, e foi aí que a sorte grande bateu à sua porta: ela disputou e ganhou o papel da jornalista do Planeta Diário, Lois Lane, na produção “Superman – O Filme”, primeira megaprodução do cinema baseado em um personagem de quadrinhos. O filme estreou em dezembro de 1978, e a química entre a Lois Lane de Margot e Clark Kent/Super-Homem, interpretado por Christopher Reeve, foi imediata, fazendo Kidder finalmente alcançar o sucesso em sua carreira. A atriz reprisou o papel da personagem em todos os três filmes seguintes, ainda que em “Superman III”, de 1983), ela tenha sido uma personagem secundária na história, onde os produtores preferiram centrar a atenção amorosa do Homem de Aço em sua antiga namorada dos tempos de colégio em Pequenópolis, Lana Lang (interpretada por Anette O’Toole), mas voltando a ter importância em “Superman IV – Em Busca da Paz”, de 1987, o derradeiro filme estrelado por Reeve.
                O sucesso alcançado em Superman promoveu Kidder à condição de estrela, e em 1979 ela teve o papel principal na produção “Terror em Amityville”, e a boa receptividade do filme e a boa bilheteria consolidaram a posição de Margot em Hollywood. A atriz continuaria fazendo vários filmes e participando de séries de TV durante toda a década de 1980. Já nos anos 1990, a fama e os trabalhos conseguidos por ela começaram a escassear. Em 1990, a atriz sofreu um acidente de carro que a fez ficar sem trabalhar por um bom tempo. Kidder já sofria de transtornos mentais há anos, tendo sido até maníaco-depressiva, e depois diagnosticada com transtorno bipolar, o que também ajudou a prejudicar sua carreira. Em 1996, durante uma forte crise, acabou desaparecendo por alguns dias, até ser encontrada vivendo como sem-teto. O problema a fez se tornar uma ferrenha ativista, defendendo as pessoas com problemas e transtornos mentais.
                Ela conseguiu retomar sua carreira, mas fazendo pequenos papéis em filmes e seriados, sem conseguir voltar ao status de fama de que desfrutara no início dos anos 1980. Na primeira metade dos anos 2000, ela participou de alguns episódios da série “Smallville”, que retratava a adolescência do Super-Homem, ainda vivendo em Pequenópolis, fazendo o papel de Bridgette Crosby, assistente do Doutor Virgil Swann, um cientista que descobre o segredo dos poderes de Clark Kent e sua verdadeira natureza, ajudando o rapaz e descobrir suas origens. Swann foi interpretado por Christopher Reeve, que havia feito o Super-Homem nos filmes para cinema, e desde meados dos anos 1990 encontrava-se tetraplégico, devido a um acidente sofrido enquanto cavalgava. Da mesma forma que Kidder, o problema de saúde de Reeve também o tornou um grande batalhador pela causa das pessoas com deficiências físicas, fossem naturais ou acidentais. Reeve faleceu em 2004, aos 52 anos de idade.
                Até o ano passado, a atriz vinha participando esporadicamente de alguns filmes e em algumas produções para TV. Em 2014, ao lado de vários antigos astros dos filmes de ação dos anos 1970, estrelou “X-Mercenários”, paródia do filme “Os Mercenários”, estrelada por Sylvester Stallone e vários outros astros de filmes de ação dos anos 1980. E também participava de algumas convençõesde cultura pop. Inclusive, a Comic Com Experience estava para anunciar em breve a vinda da atriz para a CCXP 2018 como uma das convidadas do evento, onde teria a chance de conhecer os fãs brasileiros, estando muito animada com a chance de visitar o Brasil. Infelizmente, o destino reservou outros planos para Margot, que esperamos, possa descansar em paz, ciente de que já cumpriu com sua missão neste mundo, e reunindo-se a seus colegas já falecidos das produções que participou. Vá com Deus, Lois Lane!


NOVOS CROSS-OVERS DC/HANNA-BARBERA SAINDO ESTE MÊS


                Preparem-se, fãs dos personagens da Hanna-Barbera! Depois da bem-sucedida publicação de alguns títulos reinventando e/ou apresentando encontros do clássico estúdio de animação por parte da DC Comics em 2016, a editora partiu para algo ainda mais inusitado e interessante: cross-overs entre aqueles personagens, e os heróis e personagens do Universo DC. Assim, tivemos o encontro do Lanterna Verde com o Space Ghost, e o Gladiador Dourado foi parar nos tempos dos Flintstones. Adam Strange encontrou o pessoal da série Future Quest, e o Esquadrão Suicida teve um encontro pralá de inesperado com a turma do Banana Splits. E, agora neste mês de maio, a DC Comics repete a empreitada, e traz quatro novos cross-overs, reunindo mais uma vez os personagens da DC Comics com a turma da Hanna-Barbera.
                Serão todas edições one-shots, com cerca de 48 páginas, ao preço de US$4,99, com pelo menos dois deles trazendo uma história principal e uma secundária, sempre completas, de modo a poderem ser lidas de forma independente uma da outra, sem precisar de leituras prévias de outras histórias. "Misturar personagens da DC e da Hanna-Barbera juntos para essas histórias é sempre divertido, porque os resultados tendem a ser imprevisíveis", disse o co-editor da DC Comics, Dan DiDio, em um comunicado. “Mesmo antes de você saber do que se trata a história, apenas ouvir os nomes que serão lançados instantaneamente traz um sorriso ao seu rosto e coloca sua imaginação em ação, tentando descobrir que tipo de história poderia vir desses encontros. Felizmente, temos a linha perfeita de criadores que podem dar vida a essas histórias.”, completa.
                Nestes novos encontros, Aquaman, o rei dos mares,irá cruzar com ninguém menos do que Tutubarão e sua turma, a banda musical Os Netunos, através dos talentos de Dan Abnett, Paul Pelletier e Andrew Hennessey. Veremos também um encontro de ninguém menos que o Capitão Caverna junto mago Shazam e o Espectro, com os esforços criativos de Jeff Parker e Scott Kolins. O herói Raio Negro terá o mais inesperado encontro de sua vida, quando unirá forças com Hong Kong Fu, através do esforço combinado de Bryan Hill, Denys Cowan e ninguém menos do que Bill Sienkiewicz. E ainda contando mais uma vez com o time criativo Jeff Parker e Scott Kolins trazendo o demonologista Jason Blood conhecendo o Fantasminha Legal. O Flash, o homem mais rápido da Terra, irá medir forças, ou melhor, velocidades, com o Speed Buggy, pelos talentos de Scott Lobdell, Brett Booth e Norm Rapmund. E, fechando o pacote, teremos os Super Filhos batendo de frente com ninguém menos que o Falcão Azul e Dinamite, o Bionicão, numa trama concebida por Peter J. Tomasi, Fernando Pasarin e Oclair Albert.
                Para Dan Didio, apesar da desconfiança inicial dos leitores com relação ao projeto, foi muito divertido conceber os cross-overs. Depois da primeira rodada de crossovers, muitos perguntaram sobre a possibilidade de verem outros personagens que não haviam sido usados naquelas edições. “Eu estava realmente focado nos personagens Hanna-Barbera dos anos 60”, confessa o co-editor, que segue: “Personagens como Tutubarão, Bionicão, ou Hong Kong Fu não eram meu ponto ideal. Por causa disso, não dei a eles a devida atenção. Então, quando comecei a olhar melhor para esses personagens, vi que havia muito potencial aqui também. Eu gosto onde temos a chance de olhar para os personagens de uma maneira diferente, e apresentá-los em uma história que não vimos antes”.
                Didio afirma que tem sido uma grande vantagem a Warner ser a proprietária da Hanna-Barbera, assim como também da DC Comics, o que facilitou o processo de utilização dos personagens da empresa fundada por William Hanna e Joseph Barbera. Mesmo assim, ele afirma que tudo precisou ser negociado dentro da Warner, e que nada foi feito arbitrariamente. Indagado sobre a lógica destes cross-overs, Didio mencionou que fazer Aquaman e Tutubarão se encontrarem parecia algo bem lógico. Sobre o Flash, seu encontro com o Speed Buggy tem tudo a ver com velocidade, enquanto fazer os Super Filhos se encontrarem com o Bionicão parte da premissa de que garotos gostam de cachorros, e isso parecia uma boa idéia. Por outro lado, fazer um herói afro-americano se encontrar com um cachorro mestre de artes marciais em um ambiente dos anos 1970 acabou sendo a preferida do co-editor nesta leva de novos cross-overs: “estou surpreso que ninguém nunca tenha tentado isso antes”, diz Didio, rindo, sobre a originalidade do encontro.
                Didio ainda revelou que, entre os artistas das equipes criativas, Bryan Hill literalmente implorou para escrever o encontro de Raio Negro e Hong Kong Fu, por ser um grande fã deste personagem. Dan Abnett já era o escritor regular do Aquaman, e portanto, para escrever o cross-over foi um pulo, o mesmo valendo para Pete Tomassi no encontro do Bionicão com os Super Filhos. E Scott Lobdell teria apresentado uma excelente premissa para a história envolvendo o Flash e o Speed Buggy. Dan ainda revela que muitas idéias ainda são consideradas para futuros encontros dos personagens DC com os da Hanna Barbera, mas obviamente não dá pistas destes possíveis novos encontros, preferindo por enquanto colher a repercussão desta nova leva de cross-overs, o qual espera faça tanto sucesso quanto a primeira, lançada no ano passado, e que chamou bastante atenção dos leitores. Confiram as sinopses de cada um destes cross-overs:

# AQUAMAN/JABBERJAW SPECIAL # 1: Nesta história escrita pelo roteirista da série do Aquaman, Dan Abnett, com arte de Paul Pelletier e Andrew Hennessey, uma cidade é sitiada por uma série de ataques de tubarão, e as autoridades pedem ajuda do Aquaman para resolver o problema! O que é incomum neste caso é que o tubarão em questão não está tentando matar pessoas ou agredi-las - ele só quer conversar com elas. Tudo o que Tutubarão quer é voltar a Aqualand, a futura utopia submarina de onde ele veio. Mas aquela cidade pacífica onde o homem e a vida marinha consciente viviam em harmonia foi transformada em um pesadelo distópico criado pelo novo Mestre do Oceano! Agora o Rei da Atlântida e seu amigável tubarão aliado devem se unir para consertar as coisas. Esta edição também inclui uma aventura bônus de Jeff Parker e Scott Kolins, que conta a história do primeiro encontro entre o Capitão Caverna, o Espectro e o mago Shazam.

# BLACK LIGHTNING/HONG KONG PHOOEY SPECIAL # 1: De volta do Vietnã, o mestre de kung-fu Hong Kong Fu criou sua própria agência de detetives no centro da cidade. Enquanto isso, Jefferson Pierce, o herói conhecido como Rio Negro, descobriu uma trama de três assassinos para coletar os componentes de um texto sagrado revelando os mais obscuros segredos da magia das artes marciais, e eles eliminarão qualquer um que os possua - incluindo o cão que detém o último capítulo do livro, Hong Kong Fu. Bryan Hill, Denys Cowan e Bill Sienkiewicz se unem para entregar uma história para fã nenhum destes personagens botar defeito. Os leitores ainda terão uma aventura extra, onde Jeff Parker e Scott Kolins juntam-se mais uma vez numa história mostrando o encontro de Jason Blood com a entidade fantasmagórica conhecida como Fantasminha Legal.

# THE FLASH/SPEED BUGGY SPECIAL # 1: Escrita por Scott Lobdell, e concebida pela arte cnjunta de Brett Booth e Norm Rapmund, está edição se prepara para mostrar uma história em alta velocidade com a borracha queimando fundo no asfalto Quando Wally West, o herói velocista conehcido como Flash tenta derrubar o vilão Kilg% re, ele fica surpreso ao descobrir que ele tem um aliado desconhecido que pode se mover o mais rápido que puder. Dr. Pernell, um brilhante cientista dos Laboratórios STAR, encontrou uma maneira de alimentar seu buggy usando a Força de Aceleração. Quando o Flash concorda em ajudar a testar os limites do veículo em uma corrida, algo inesperado envia-os para fora da Força de Aceleração e para o desconhecido. Eles aterrissam em um futuro pós-apocalíptico, mas o Dr. Pernell está desaparecido, deixando um Speed Buggy agora senciente para ajudar o homem mais rápido do mundo com a tarefa de consertar o fluxo de tempo e parar a tripla ameaça de Savitar, um Speed Buggy Demônio e… o Speed Buggy reverso?

# SUPER SONS/DYNOMUTT SPECIAL # 1: Não é divertido para Jon Kent estar visitando Big City com seus pais para o funeral de um velho amigo, então seu melhor amigo Damian Wayne decide acompanhá-lo e dar-lhe informações privilegiadas sobre a cidade. Mas quando eles vão se encontrar com o amigo local de Robin, Dinamite, o Bionicão, eles o encontram ferido e precisando de ajuda. E o seu companheiro humano super-herói, o Falcão Azul, aparentemente se tornou perverso. Qual é a razão dessa traição entre companheiros leais, e que papel o malvado Red Vulture poderia desempenhar nesse cenário? Peter J. Tomasi, escritor dasérie dos Super Sons favorito dos fãs, se une a Fernando Pasarin e Oclair Albert para contar esta história apresentando o primeiro encontro do cão maravilha com os filhos do Homem de Aço e do Cavaleiro das Trevas.

                Aqui no Brasil, a Panini, atual editora de títulos da DC em nosso país, já publicou três séries completas do material produzido recentemente pela DC com a Hanna-Barbera: Future Quest, reunindo os heróis de aventura; os Flintstones; e Scoody-Doo Apocalypse. E sairá em breve a série da Corrida Maluca, o que dá esperanças de que todas estas edições de cross-overs deverão ser lançadas por aqui em momento oportuno. O ponto positivo é que a editora italiana tem lançado sempre edições encadernadas, o que tem facilitado para os leitores nacionais a aquisição destes materiais, que tem sido muito interessantes. E como a DC tomou gosto pela iniciativa, lançando novas edições, a empreitada tem dado mais do que certo. Que possa vir então muitos outros cross-overs entre os personagens do Universo DC com o universo da Hanna-Barbera, além das novas histórias que têm sido publicadas regularmente com os personagens.

sábado, 28 de abril de 2018

VINYX LANÇA BOX COMPLETO DA FAMÍLIA ADDAMS


                Os fãs de séries antigas terão um ano de lançamentos interessantes a serem providenciados pela distribuidora Vinyx Multimidia. Apesar de alguns atrasos em vários dos títulos prometidos, meio que aos trancos e barrancos, alguns deles vão surgindo na pré-venda em livrarias virtuais e sites. E agora em maio, uma das famílias mais famosas da ficção e do humor negro chegará às lojas: é a hora da Família Addams retornar para matar a saudade de seu público e de seus fãs.
                A FAMÍLIA ADDAMS – A SÉRIE COMPLETA, é uma caixa com 8 discos, trazendo todos os 64 episódios das duas temporadas da série de TV que alavancou a popularidade dos personagens em meados dos anos 1960. O preço do box é de cerca de R$ 150,00. De positivo, traz todos os episódios, em seu formato original, em preto e branco, com opções de áudio em inglês e português, e legendas nos mesmos idiomas.
                Os personagens foram criados em 1937 pelo cartunista Charles Addams, em painés de tiras de jornais publicadas nos Estados Unidos. Os personagens formavam uma família de hábitos excêntricos, com um gosto pra lá de macabro em seu visual e no local onde vivem, mas sendo pessoas de boa índole e bom coração, mesmo que as demais pessoas os achem por vezes aterrorizantes e esquisitos. Satirizando a típica família americana, os personagens de Addams precederam as várias séries animadas que seriam criadas muitos anos depois contando as peripécias do dia-a-dia de famílias ambientadas nos mais variados lugares, como Os Flintstones, os Muzzarelas, ou os Jetsons. Por isso mesmo, não foi surpresa quando surgiu a oportunidade de levar os personagens para a televisão em 1964, interpretados por atores. Foi uma grande oportunidade para Adams, que pode até desenvolver melhor seus personagens, em virtude da necessidade das histórias queseriam produzidas para o seriado. Aliás, até então, os personagens eram bem superficiais e com pouca profundidade, e nem tinham sobrenome familiar, sendo identificados apenas pelo primeiro nome. Charles Addams acabou batizando-os com seu próprio nome, e assim surgia a face definitiva da “Família Addams”.
                Produzida por Nat Perrin, e distribuída pela MGM, a série estreou na TV ABC nos Estados Unidos em 18de setembro de 1964, em episódios semanais de meia hora. John Astin interpretava o patriarca da família, Gomez Addams; Carolyn Jones fazia sua esposa Mortícia Addams; Jackie Coogan dava vida ao hilário Tio Chico (ou Tio Funéreo, dependendo da tradução); Blossom Rock era a Vovó Addams com seu jeitão de bruxa maluca; Lisa Loring interpretava Vandinha; Ken Weathervax fazia o Feioso; Ted Cassidy dava vida ao inconfundível mordomo Tropeço, em seu visual remetendo ao conhecido monstro de Frankenstein; e Felix Silla era o Primo Coisa, que era uma mão que vivia dentro de uma caixa. A série dos Addams, aliás, fez concorrência ferrenha com outra família macabra e aterrorizante (no bom sentido, claro), os Monstros, cuja série de TV estreou quase ao mesmo tempo, em 24 de setembro de 1964, na rede CBS.
                Os dois seriados fizeram relativo sucesso, trazendo histórias bem-humoradas dos dramas familiares cotidianos, e os percalços que as pessoas “normais” sentiam quando vislumbravam os integrantes destas duas famílias incomuns na aparência e em alguns hábitos, mas tão normais quanto todas elas no restante, vivendo problemas e aventuras muito familiares. Mas mesmo assim os dois seriadosacabaram cancelados, depois de duas temporadas, e também quase ao mesmo tempo. A Família Addams foi exibida até 8 de abril de 1966, enquanto os Monstros tiveram 70 episódios, encerrando sua exibição em 12de maio de 1966.
                Os Addams retornariam como convidados especiais em um dos episódios da série animada do Scooby-Doo, em 1972, produzida pela Hanna-Barbera. A Família Addams entao ganharia em 1973 sua primeira versão animada, também pela Hanna-Barbera, com 55 episódios em três temporadas. Em 1977, foi produzido um telefilme reunindo mais uma vez todo o elenco da série live-action, com exceção de Blossom Rock. Em 1991 e 1993, ganhariam dois filmes para cinema que fizeram bastante sucesso, e levaram inclusive à produção de um novo desenho animado, com 21 episódios, todos exibidos no Brasil, para alegria dos fãs dos personagens. A série live-action já foi exibida no Brasil há muitos anos atrás, e em tempos mais recentes, chegou a ser reprisada com legendas na TV por assinatura, e algum tempo depois, redublada. Em 1998 e 1999, os Addams ganharam um remake de uma nova série de TV com atores, que contou com 65 episódios, que foi exibida no Fox Family Channel.
                E agora, chegou a hora de matar a saudade (no bom sentido da palavra) da primeira série live-action dos personagens e de todas as suas confusões e percalços do dia-a-dia de uma família, com este lançamento da Vinyx, que chega às lojas neste mês de maio, para fã nenhum botar defeito. O lançamento da Vinyx,inclusive, é mais prático que o feito com a série nos Estados Unidos, onde a produção foi disponibilizada em vídeo em 2006 em três caixas pela MGM, trazendo todos os episódios, que aqui estão sendo oferecidos em um único box pela distribuidora brasileira. Um lançamento pra lá de bem-vindo, não apenas para os fãs dos personagens, mas para todos os amantes das velhas séries de TV, ao verem mais uma produção antiga resgatada para o mercado de vídeo nacional, que certamente já viveu dias muito mais inspirados em tempos não tão distantes.
                Portanto, é hora de se deliciar novamente com Gomez, Mortícia, Vadinha, Feioso, Tio Chico, a Vovó, e a Coisa, e rir de todas as peripécias da série em seus 64 episódios. E vida longa à Família Addams!