quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

GALACTICA ENCONTRA GALACTICA?



                Os fãs de quadrinhos têm tido a oportunidade de verem diversos projetos nos últimos tempos no mercado de quadrinhos dos Estados Unidos, em especial quando o assunto são cross-overs, os famosos encontros de personagens com outros que geralmente pertencem a uma editora diferente, ou a universos diferentes, como por exemplo, o inusitado encontro entre Conan, o Bárbaro, e Groo, o Errante, lançado pela Dark Horse Comics e já lançado no Brasil, unindo em uma mesma história, dois personagens que em tese nunca se cruzariam. E agora, pelas mãos da Dynamite Entertainment, um novo e inesperado encontro está para acontecer tendo como palco uma das mais cultuadas séries de ficção científica conhecida, quando a tripulação da última nave de combate colonial, conhecida como Galactica, da série Battlestar Galactica, encontra simplesmente a astronave de combate... Galactica!
                BATTLESTAR GALACTICA VS. BATTLESTAR GALACTICA é um dos mais novos lançamentos da Dynamite que está chegando este mês às comic shops dos Estados Unidos, e reúne, de maneira insólita, as duas versões conhecidas da famosa Astronave de Combate Colonial: a original, apresentada ao mundo na série de TV produzida em 1978, e a mais recente, concebida no remake de 2003. Tão similares uma à outra, mas também completamente diferentes em diversos aspectos. Sua missão maior é uma só: defender o que sobrou da raça humana de seus inimigos mortais, enquanto singra o espaço buscando esperança na últim tribo remanescente de humanos no cosmos, que teria colonizado um mundo distante chamado Terra!
Produzida em 1978 pela Universal Studios, e concebida por Glen A. Larson, Battlestar Galactica (Galactica – Astronave de Combate, em português), mostrava a saga dos humanos sobreviventes das chamadas Grandes Colônias do Homem, que tiveram seus mundos devastados pelos seus inimigos seculares, o Império Cilônio, após serem traídos por um dos seus, Baltar, que queria todo o seu povo subjugado a seus pés. Mas uma Astronave de Combate, a Galactica, sobreviveu ao extermínio, e conduzindo o que sobrou de seu povo, busca no espaço, entre as estrelas, a última tribo de humanos remanescente, para poderse recuperar e sobreviver. Uma tribo que colonizou o planeta conhecido como Terra. No melhor estilo Guerra nas Estrelas, que despertou o interesse do público por sagas espaciais, a série de TV não fez feio, mostrando os combates da Galactica e seus guerreiros contra os cilônios e outros perigos que encontravam pelo espaço. Infelizmente, a série acabou cancelada devido aos altos custos de produção, sendo retomada em1980, mas novamente cancelada logo depois. Apesar disso, ganhou uma boa legião de fãs, que durante anos aguardaram pela possibilidade de um retorno. O que só aconteceu em 2003, quando a Universal produziu um remake, contando a mesmoa história, mas com uma nova abordagem, que também fez sucesso, conseguindo durar até mais tempo que a produção original.
Entre as mudanças, nesta nova série os cilônios, que são os responsáveis pelo holocausto da raça humana, eram criações da própria humanidade, que se voltaram contra seus criadores, enquanto na série original, eram uma outra raça, com quem os humanos passaram a travar combates para deter suas expansões totalitárias, esmagando quem ousasse discordar deles. Enquanto a série clássica tinha como maior atrativo as batalhas espaciais, a nova não ficou apenas nisso, conseguindo mostrar também diversos outros problemas, como política, problemas sociais, etc, conseguindo dar uma maior diversidade às histórias. E, enquanto a série original nunca viu um fim em sua história, a nova teve um encerramento razoável de sua saga.
Mas agora, nos quadrinhos da nova minissérie mensal que a Dynamite está lançando, estas duas versões irão se encontrar frente a frente, e este acontecimento não deverá ser nem um pouco agradável para ambas as partes. O que acontecerá quando o comandante da Galactica, Adama, ao lado de seus principais guerreiros, seu filho Apolo, e seu melhor amigo, Starbuck, ficarem frente a frente com o almirante William Adama, comandante da Battlestar Galactica (de 2003), e seus comandados, Lee Adama, chamado de Apolo em combate, e Kara Thrace, esta mais conhecida por seu nome de guerra Starbuck? O mundo da ficção científica está prestes a ver a colisão de duas Astronaves de Combate, em um acontecimento que pode ser titânico, e potencialmente explosivo.
No comando da história está Peter David, que assina o roteiro da minissérie, que terá os desenhos de Johnny Desjardins, com cada edição tendo diversas capas, produzidas por nomes como John Cassaday, Johnny Desjardins, e Roberto Castro. Cada edição terá 32 páginas, ao preço de US$ 3,99. Com passagens pela Marvel e DC, e tendo escrito roteiros de outras séries de ficção científica, como Jornada nas Estrelas e Babylon 5, Peter David tem credenciais mais do que justificáveis para comandar esta empreitada, e ele não esconde o prazer de estar neste projeto: “Com todo o respeito a Jornada nas Estrelas... Eu acredito firmemente que a recente série de Battlestar Galactica é a melhor série de ficção científica de todos os tempos. E, ao analisar a série original pela primeira vez em décadas, fiquei espantado com a forma como ela se manteve muito melhor do que jamais poderia acreditar. Praticamente quarenta anos atrás, a primeira série de Galactica tinha um estilo, história e personagens próprios e merecia ter muito mais do que foi contado. Estou emocionado por ter a oportunidade de fazer parte desta reunião verdadeiramente histórica, que foi criada na nova série: tudo isso já aconteceu antes, e isso acontecerá de novo", afirmou o artista.
                "Peter David é um dos escritores mais talentosos que nossa indústria já teve. Ele escreveu histórias de super-heróis, ficção científica, prosa e muito mais. Fui um grande fã de Peter desde seus primeiros trabalhos nos comics, como na história clássica do Homem-Aranha, 'A Morte de Jean De Wolff', e seu romance Prose Knight Life e depois seu histórico na série do Incrível Hulk", diz. Nick Barrucci, CEO e editor da Dynamite Entertainment. "Ele é um talento excepcional que traz a simpatia da humanidade para as aventuras cósmicas mais distantes. Finalmente, o projeto certo surgiu, e estamos felizes por Peter ter aceitado graciosamente a tarefa épica de unir as duas encarnações de Battlestar Galactica. Os fãs vão ficar selvagens quando virem como essa história se desenrola!", completou.
Tudo começa quando os kalis são descobertos, e por serem os últimos representantes da raça reptliana que se desenvolveu para se transformarem nos cilônios, quando incorporaram sua tecnologia a seus corpos, passando a serem entidades cibernéticas. Mas como essa descoberta irá levar a Galactica original da série de 1978 a cruzar universos e se defrontar com a Galactica de 2003? E como os cilônios, seus inimigos tanto em uma versão como na outra, poderão constituir uma ameaça ainda maior a ambas as mesmas Astronaves de Combate? Inúmeras perguntas surgirão, e talvez o desenrolar dos acontecimentos não permita que se obtenham respostas plausíveis antes que o pior aconteça. A sorte está lançada, e nunca o destino dos últimos remanescentes da humanidade entre as estrelas podem ter enfrentado um perigo tão grande, que pode vir... deles mesmos!
A Dynamite Entertainment é a atual detentora dos direitos de Galactica nos quadrinhos, desde 2006, e de lá para cá, já lançou várias aventuras das diversas “encarnações” de Galactica, tanto da série clássica original, quanto do remake de 2003. De acordo com Matt Idelson, editor-sênior da Dynamite, um cross-over entre estas versões já é uma idéia antiga, mas que somente agora as peças conseguiram se encaixar, e o projeto tomou forma. "Tenho a sorte de fazer parte dessa aventura e trabalhar com um escritor cujo trabalho admirava desde antes de estar trabalhando neste negócio. Além do maravilhoso senso de mistério e admiração de que Peter esteja trazendo para a história, o nível de humanidade que as duas equipes de Galactica possuem é maravilhoso. Mal posso esperar para que as pessoas vejam esta série", conclui Idelson.
No Brasil, tanto a série clássica de 1978, como o retorno de 1980, e a nova versão lançada em 2003 foram exibidos na TV, seja aberta e por assinatura, e lançados no mercado de vídeo nacional. Já os quadrinhos de Galactica continuam completamente inéditos por aqui, e tudo leva a crer que continuarão dessa maneira por aqui, por mais que se apelem para os Senhores de Kobol, para a infelicidade dos fãs da série, em todas as suas versões.

THUNDERCATS GANHA NOVO LANÇAMENTO EM DVD



                Saudosistas dos anos 1980, podem comemorar: uma das séries de desenho animado mais cultuadas daquela década está ganhando nova “chance” no mercado nacional de vídeo. Trata-se de Thundercats, série produzido entre 1985 e 1989 que alcançou enorme sucesso em todo o mundo, incluído o Brasil, onde ganhou muitos fãs na época de sua exibição, promovida inicialmente aos domingos, pela TV Globo.
                THUNDERCATS – PRIMEIRA TEMPORADA – Volume 1, traz em um box digibook com 5 discos em DVD 32 episódios da primeira temporada da série, que contou com 65 episódios. Produzida pela Rankin Bass Productions, com participação também das empresas Lorimar e Telepictures, e com animação produzida pela Pacific Animation Corporation, a série narrava as aventuras de um grupo de heróis alienígenas em um novo mundo onde tentavam reconstruir sua herança e legado. O box tem o preço de cerca de R$ 100,00, e pode ser encontrado em diversas lojas on-line. O lançamento é da World Classic, distribuidora que tem se especializado no lançamento de séries clássicas, já tendo disponibilizado diversas produções antigas no mercado nacional de vídeo, quase sempre caprichando na apresentação de seus produtos, que na maioria das vezes tem apresentado boa qualidade de imagem e áudio. A caixa traz opções de áudio em inglês e português, com opção também de legendas em português.
                Na verdade, pode-se dizer que este é apenas “mais um” lançamento de Thundercats no mercado de vídeo nacional. A Warner, que possuía os direitos de distribuição da série, lançou este desenho completo nos Estados Unidos, em quatro caixas, trazendo todos os episódios, há muitos anos. Na época, aqui no Brasil, a distribuidora vinha lançando também várias caixas de animação clássicas, dentro da série “Hanna-Barbera Collection”, mas de um momento para o outro, simplesmente parou de fazer novos lançamentos de boxes por aqui. Thundercats ainda ganhou um “pack” de dois discos, trazendo apenas os 13 primeiros episódios da série, o que deixou muitos fãs dos personagens frustrados com o descaso da Warner, que praticamente não deu sequência aos lançamentos dos episódios restantes.
                Sobrou para os fãs as produções “caseiras” de alguns fâs que riparam os DVDs norte-americanos e mixaram com a excelente dublagem em português da Herbert Richers, como opção para se ter a série por aqui. Não demorou para surgirem DVDs “avulsos” lançados de forma duvidosa no mercado nacional de vídeo, com episódios sortidos da produção. E chegaram a lançar até mesmo alguns boxes, sempre por distribuidoras de nomes curiosos, em lançamentos que, longe de serem oficiais, ao menos atendiam em parte à demanda dos fãs, que obviamente iriam gostar muito de comprar os discos oficiais. Mas, como a Warner simplesmente não deu ouvidos a esse público, sobrou apenas este meio de se conseguir a série...
                Com o mercado de vídeo nacional passando por trancos e barrancos, em meio a displicência das distribuidoras maiores, algumas empresas menores tem surgido e conseguido lançar alguns materiais há muito desejados pelos fãs, em especial produções antigas, que foram praticamente abandonadas pelas “majors”. Com algum burburinho aqui e ali, onde sempre se questiona a legalidade ou não destes lançamentos, o fato é que infelizmente eles vem preecher uma lacuna que os ditos proprietários “oficiais” parecem não ter interesse em ocupar, mesmo tendo um mercado consumidor potencial, ou nem mesmo oferecer as séries oficialmente por meios alternativos, como é o caso de alguns produtos que são vendidos no mercado de vídeo dos Estados Unidos por estas mesmas empresas, no formato de gravação sob demanda, que é a compra por parte do consumidor de determinada série, e a empresa grava o produto em DVD-Rs e monta a caixa, de acordo com os pedidos de compra que são feitos.
                Oficial ou não, Thundercats merecia um lançamento mais decente no mercado de vídeo nacional, pois foi uma das séries mais queridas dos anos 1980, e a World Classic parece estar dando esta nova oportunidade à série, que certamente deverá ser bem apreciada pelos fãs, em que pese o preço do box estar um pouco salgado para um produto em DVD, mas o acabamento dado à caixa é muito bom, e ao menos, traz metade dos episódios da primeira temporada da produção, dando a entender que, se tudo der certo, todo o restande da série deverá sair em breve, em outras caixas neste mesmo formato, para alegria dos antigos fãs e/ou novos que gostariam de ter esta série em sua estante.
                A história da série começa em um ponto longínquo do espaço, onde um planeta conhecido como Thundera está em seus momentos finais. A população daquele mundo, os thunderianos, fogem para o espaço, assim como os nobres do planeta, os chamados Thundercats, mas após verem seu mundo explodir, eles são impiedosamente atacados por seus inimigos de longa data, os mutantes do planeta Plunn-Dar. Eles emboscam a nave dos Thundercats, com o objetivo de se apossarem de seu maior tesouro, o Olho de Thundera, uma jóia de grandes poderes incrustada na poderosa Espada Justiceira de Omens, que só pode ser empunhada pelo líder dos Thundercats, posição agora ocupada pelo jovem garoto Lion-O, já que seu pai, o rei de Thundera, pereceu junto com o seu planeta natal. Mas a emboscada falha, os mutantes fogem, e os Thundercats partem rumo às estrelas em busca de um novo lar, guiados pelo sábio Jaga, que assume o comando da sua nave, enquanto todos hibernam em cápsulas. Décadas depois, eles chegam a um planeta chamado Terceiro Mundo, que parece uma versão alternativa da Terra, onde pousam, e Lion-O descobre que se tornou adulto, para ocupar seu posto como novo líder dos Thundercats, passando por diversas provações, aprendendo muitas lições e vivendo grandes aventuras, sempre na companhia de seus amigos e companheiros Thundercats, e guiado pelo espírito de Jaga, e acompanhado pelo seu bom e leal amigo Snarf.
                Mas, apesar das belezas do novo mundo onde os Thundercats passam a viver, ele também possui muitos perigos, e o maior deles é o feiticeiro imortal chamado Munn-Ra, que toma conhecimento dos poderes da Espada Justiceira, e deseja se apoderar deles. Para tanto, ele se alia aos pérfidos mutantes, que seguiram os Thundercats pelo espaço, e iniciam seus planos para subjugarem não apenas os Thundercats, mas os demais povos que habitam o Terceiro Mundo. Mas, de sua poderosa fortaleza, aToca dos Gatos, os Thundercats prometem enfrentar as forças do mal, e fazer valer o seu código de honra, baseado na justiça, coragem, e lealdade. E uma grande luta contra as forças do mal passa a se desenvolver neste mundo alienígena parecido com a Terra. Os Thundercats fazem tanto novos aliados e amigos quanto novos inimigos, e da união de seus esforços depende a vitória sobre as forças perversas que investem contra eles.
                Uma característica da série é que ela possuía um começo, e fim de cada uma de suas temporadas. A primeira temporada, com 65 episódios, findou-se com a série de aventuras onde Lion-O precisa se mostrar merecedor do posto de líder dos Thundercats, tendo de derrotar seus próprios amigos em confronto onde suas habilidades e coragem são duramente testadas. A segunda temporada se inicia com o surgimento de novos personagens, reforçando o poderio dos Thundercats, que descobrem outros sobreviventes de seu povo vivendo no próprio Terceiro Mundo, e também pelo surgimento de novos e poderosos inimigos, os Lunataks. A série prossegue com a recriação de Thundera, e o mistério do Livro de Omens, com o qual a segunda temporada encerrou-se em 1989, com 130 episódios produzidos. A qualidade da animação,o design dos personagens, e a estrutura cronológica das aventuras chamaram a atenção por oferecer um diferencial em relação a outras séries animadas, e também por mostrar o crescimento e desenvolvimento de Lion-O, de uma criança ainda imatura e despreparada para assumir seu legado, até se tornar um grande e respeitado líder dos Thundercats, aprendendo sempre e cada vez mais, mesmo com seus próprios erros, e nunca desistindo de enfrentar os desafios que surgiam à sua frente.
                No Brasil, a TV Globo passou a exibir do desenho aos domingos em 1986, e assim como as demais séries animadas exibidas pela emissora aos domingos, Thundercats ganhou muitos fâs. E não demorou para ganharem diversos brinquedos e outros produtos, além de terem publicadas suas aventuras em quadrinhos por aqui. A Editora Abril lançou um título próprio dos gatos do trovão, lançando nas bancas as aventuras produzidas pela Marvel Comics através de seu selo Star Comics, mesclando adaptações de aventuras da série animada com histórias completamente inéditas. O título foi publicado de 1986 a 1989, sendo encerrado após 30 edições.Na TV Globo, a série teve cerca de 100 episódios exibidos até por volta de 1990, quando então saíram da programação da emissora, quando eram exibidos já durante a semana, dentro do programa Xou da Xuxa. Vários anos depois, a série voltaria a ser exibida, primeiro na TV paga, e depois de volta à TV aberta, agora pela TVS/SBT, que inclusive trouxe o restante dos episódios da série, que nem tinham sido dublados na época de sua exibição original aqui, pela TV Globo. Inclusive, é de se elogiar o esforço feito para chamar todos os dubladores ainda disponíveis para repetirem seus personagens. Com exceção dos dubladores já falecidos, a única “baixa” no elenco da dublagem dos episódios restantes foi Silvio Navas, que fazia a voz de Munn-Ra, uma vez que o dublador já não morava mais no Rio de Janeiro, e não chegaram a um acordo para ele reprisar seu papel dando voz ao perverso feiticeiro imortal inimigo dos Thundercats.
                Ainda na década passada, a Panini Comics publicou as novas aventuras dos Thundercats produzidas pela Wildstorm, dando sequência às aventuras da série animada. Foram 25 edições, entre 2003 e 2004. Os gatos do trovão também ganharam um cross-over com o Super-Homem, devidamente publicado por aqui. Nos Estados Unidos, eles ainda ganharam um encontro com He-Man e os Mestres do Universo, que no entanto continua inédito por aqui. Thundercats também ganhou uma nova produção animada, com uma nova história, bem diferente da série original em vários aspectos, mas esta nova versão não conseguir repetir o sucesso da produção dos anos 1980, sendo encerrada com apenas 26 episódios, que pelo menos foram todos exibidos no Brasil, e tiveram todos eles lançados em DVD pela Warner.
                Portanto, com o novo lançamento da série em DVD pela World Classic, é chegada a hora de matar as saudades, e ver e/ou rever as intrépidas aventuras dos poderosos Thundercats, com Lion-O empunhando sua poderosa Espada Justiceira, e brandindo o grito que todo fã conhece de cor: “Thundercats, Hooo!!!”, e que as forças do mal se acautelem...